Mobilização contra aumento do PIS/COFINS ganha força em Brasília

piscofins

Lideranças nacionais reunidas pela Fecomércio-DF em um seminário ocorrido nesta terça-feira (8), em Brasília, na sede da CNC, voltaram a se manifestar contra o aumento do PIS/ Cofins proposto pelo governo e contra qualquer tipo de aumento de imposto no atual cenário de recessão econômica.

“Com os impostos subindo, a informalidade cresce a números assustadores no País e nós não queremos isso. Precisamos encontrar um rumo para o fortalecimento das empresas, do setor produtivo, e do País”, ressaltou o presidente da Fecomércio-DF, Adelmir Santana.

Ele ressaltou que a mobilização dos empresários tem surtido efeito, tanto que o Secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, participou do ato organizado pela Federação. “A campanha surtiu efeito, uma vez que temos a presença do xerife da arrecadação, Jorge Rachid”, completou Santana. O seminário foi realizado para debater as alterações no PIS/Cofins e divulgar um manifesto em repúdio ao possível aumento dos impostos. Rachid, por sua vez, assegurou aos empresários que não existe intenção em elevar a carga tributária com a reforma. Ele prometeu que a reforma do PIS/Cofins manterá a neutralidade da carga tributária.

No novo modelo a base de cálculo do tributo será correspondente ao valor agregado. Ele ressaltou que a proposta prevê a criação de quatro alíquotas (zero, modal, intermediária e reduzida), mas não adiantou os valores das alíquotas. “Conversamos com vários setores, apresentando a ideia e o modelo, sempre a ideia e o modelo. Eu coloco que a questão que todos certamente vão me indagar é de que a alíquota, neste momento, está em segundo plano, primeiro é importante entender o modelo”, disse Jorge Rachid.

Em complemento a fala de Adelmir Santana, o deputado federal e vice-presidente da CNC, Laércio Oliveira, salientou que o empresário precisa ser contagiado a lutar contra o aumento do desemprego no Brasil, da inflação e dos preços.”Esse é o início de uma mobilização que logo tomará todo o Brasil. Estamos contagiando o empresariado a lutar contra o aumento do desemprego, da inflação, dos preços. Esse é o objetivo da nossa luta, denunciar a tentativa do governo de elevar ainda mais a nossa carga tributária. Não se desenvolve um país aumentando impostos, mas freando os gastos públicos e promovendo reformas estruturais”, frisou Laércio.

Na opinião do diretor-executivo da Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel), Eduardo Levy, o Estado é inchado e ineficiente. “Quase metade do valor de um serviço na área de telecomunicações vai para o Estado. Esse motivo é suficiente para repelirmos de uma forma enérgica todo e qualquer aumento de imposto”, disse. O vice-presidente institucional da Central Brasileira do Setor de Serviços (Cebrasse), Ermínio Lima, disse que a intenção é a de chamar a atenção do governo de quanto o setor produtivo sofre. “Toda essa manifestação é para dizermos que não suportamos mais o peso da carga tributária no Brasil, imagina pensar em aumento. Dia a dia, o empreendedor arrisca suas economias para que o País tenha riquezas. Logo, é necessário repensar o Estado antes de aumentar a carga tributária”, afirmou.

De acordo com Luis Carlos Botelho, presidente do Sinduscon-DF, o Estado brasileiro chegou ao seu limite, e está impossível sustentá-lo. “Definitivamente, o Estado não é para a sociedade, ele existe para si. A área mais tributada desse país é a massa salarial: é tributada porque trabalha, porque consome, em tudo. Por outro lado, quando o setor produtivo se esforça para gerar riquezas é freado e impedido. Sem condições de produzir e investir há um abandono natural das atividades. Por outro lado, vemos o mercado informal crescer todos os dias”, explicou.

ATO E SITE

O ato realizado pela Fecomércio-DF faz parte de uma iniciativa da Central Brasileira do Setor de Serviços (Cebrasse), da Federação Brasileira de Telecomunicações (Febratel), do Fórum Permanente em Defesa do Empreendedor e da Associação Comercial de São Paulo. Durante o seminário desta terça-feira foi lançado o site www.contramaisimpostos.com.br, que reúne informações sobre a mobilização e servirá para promover a campanha.

Adapatado de Fecomércio DF